03/07/2011

Crítica: Transformers - O lado Oculto da Lua


transformers_o_lado_escuro_da_lua_interior
   Geralmente as crianças crescem com vontade de ser astronautas, mergulhadores, bombeiros ou coisas do tipo, mas acho que Michael Bay cresceu querendo ser profissional da área de demolição, mas demolição em massa. Ele não conseguiu ser o que queria, mas esta realizando seus mais profundos sonhos em seus filmes.
   Vendo este terceiro filme da franquia que conta a história dos robôs gigantes queBumblebee_Transformers3 vem travar uma luta aqui na terra, podemos perceber que Bay evoluiu bastante em suas filmagens, afinal de contas, no primeiro filme temos muita ação e destruição, mas entre uma explosão e outra vemos a introduçãotransformers3_18 da temática do filme, junto com seus personagens. No segundo Transformer, o diretor literalmente ignora todo e qualquer bom senso nas filmagens e simplesmente junta cenas sem sentido onde não sabemos quem é o robô do bem e o robô ruim, apenas conseguimos ver tiros e bombas sem logica. Agora na conclusão da trilogia, Bay retorna a lógica inicial, tendo um pouco mais de calma em sua loucura por destruição, mas o filme esta muito distante de agradar.
transformers-o-lado-oculto-da-lua (1)
   Em Transformers - O lado Oculto da Lua, Sam (Shia LaBeouf), esta a procura de emprego e, mais uma vez, acaba se deparando com uma conspiração envolvendo a antiga corrida espacial, que pode acabar transformando a terra em uma futura Cybertron. Com este breve resumo temos a história do filme e não estou sendo econômico nas minhas frases, realmente é só isso.
   As histórias deixaram de ser o ponto principal nos grandes filmes, ainda mais nos   de grande orçamento, que na maioria das vezes é gasto em efeitos especiais, 3-D e mais efeitos especiais. Tranformers não é diferente, a história é totalmente o segundo plano do filme, deixando em destaque os efeitos na destruição das cidades, na criação dos robôs e no 3-D, que é o melhor empregado desde Avatar.
   Transformers-3-O-Lado-Oculto-da-Lua-www.pixelworldbr.blogspot.comEm cerca de 2:20 passamos por várias sensações, que vão desde de a monotonia ate a descargas repentinas de adrenalina. O ponto é que o filme demora a engrenar, fazendo com que a primeira hora do filme parecesse uma semana e quando a ação realmente começa você esta tão de saco cheio que fica complicado se empolgar com qualquer tiro ou bomba. Nem a presenças dosTransformers muda esse panorama, na verdade todos os robôs são tratados como meros coadjuvantes, tento pouca participação no filme, talvez vejamosDecepticons ou Autobots em cerca de 40 minutos, ou seja, menos da metade do filme, Megatron por exemplo aparece apenas três vezes e Shockwave esta muito distante de ser o genaral que era prometido. A maior parte do trabalho fica por conta de Shia LaBeouf, John Malkovich, Frances McDormand e outros, que por sinal não dão conta de levar o filme todo.
   Bay poderia ter tirados mais lições com seus erros anteriores, mas preferiu deixar a maioria das cosias de lado e apostar em seu sonho de destruição (coitada de Chicago), transformando todo o filme em um pré clímax que não antecede a nada e uma consecutiva sequencia de cenas de ação sem muito sentido, mas com um ótimo 3-D. No final das contas se você quer apostar na ação e no visual que salta da tela, a diversão esta garantida, mas se quer alguma coisa a mais, pense mais um pouco antes de ver o Líder Optimus.
468x60

1 comentários:

Kell [Responder Comentário] disse...

Não curto "Transformers". Sério. hauhuahua. Vi o primeiro e achei meio sem graça e nem quis ver o segundo.
Não sei se vou assistir ao 3, mas não tem como negar que é uma superprodução! Muita gente estava esperando ansiosamente a estreia!
Beijos,
Kell
http://jornalkell.blogspot.com

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails